Como ser inovador e criativo?


Bloqueios mentais e a constante necessidade de estar sempre em processo produtivo, até onde nossas rotinas afetam nossa inovação e criatividade para realizar tarefas do nosso dia a dia?


Importante começar dizendo que a criatividade pode ser utilizada em diversos locais em nossas vidas para resolver problemas e situações que não necessariamente precisam ser muito relevantes, mas podem ser uma saída para os ambientes em que vivemos.


Seja no ambiente escolar ou universitário, onde precisamos ser criativos para resolver tarefas, elaborar trabalhos e apresentar seminários, até na área pessoal, por exemplo, no momento de conquistar aquela pessoa desejada.


Acontece que pela dinâmica e excesso de informações, ficamos por muitas vezes perdidos em nossos próprios pensamentos. Isso prejudica nossa capacidade de sermos inovadores e criativos.

Esse problema pode nos afetar até mesmo no trabalho, já pensou um vendedor de serviços de seguros de automóveis sem criatividade para vender? Ou um publicitário incapaz de criar boas campanhas? Isso precisa, com certeza, ser evitado.


Felizmente, existem algumas formas de fazer com que você consiga desviar desses bloqueios criativos e permanecer o máximo de tempo possível na ativa, ou seja, inovando e criando nos ambientes mais simples e complexos que você vivencia.


1 - Pratique o ato de ler sempre


Quando nossos professores falavam: "a leitura engrandece a alma e abre portas”, eles não poderiam estar mais certos. O brasileiro em si tem algumas dificuldades quando o assunto é leitura. Nós costumamos remeter essa prática sempre com trabalho e esforço.


Porém, a leitura precisa ser vista como uma forma de incrementar nossos conhecimentos por meio de um lazer. Apesar de existirem leituras técnicas e difíceis de serem feitas e interpretadas, somente praticando que será possível se livrar desse estigma.


Um empresário que abriu, por exemplo, uma clinica de fisioterapia após se formar na universidade, vê em algum livro que existem estudos sobre um tratamento novo que pode ajudar pacientes com algum tipo de condição física.


Graças a leitura desse profissional, surgiu a ideia de implementar algo em sua clínica, que talvez não teria cogitado antes. Essa inovação que ele aplicará, poderá ajudar muitas pessoas e beneficiar o seu negócio.


Assim, é possível afirmar que a leitura crítica, ou seja, tirar do livro pontos positivos para nossa vida, é a última etapa da interpretação. Para chegar nela, somente exercendo essa prática.


Por fim, existe um fator que a leitura faz que é consequente de sua prática. Estamos falando do aumento natural da curiosidade de uma pessoa.

Isso ocorre porque quando lemos algum livro, principalmente quando finalizamos, logo buscamos por outra leitura que possa ser semelhante. Isso nos leva a ir até outro universo, seja ele fantasioso ou técnico.


Diversos especialistas ao longo da história da humanidade concordaram que uma pessoa só pode passar a ser crítica com relação à vida, quando passar por experiências fabulosas, ou seja, fictícias, que deram a ela uma noção diferente de sua realidade.


2 - Fique sempre atualizado


Recebemos diariamente um número de informações 100x maior do que na Idade Média. A internet pluralizou a transmissão de notícias, então, para nos mantermos inovadores, é preciso estar sempre atualizado.


Quando falamos em estar atualizado, não necessariamente é estar ligado a informações sobre a política do país, mas a todos os acontecimentos que possam te envolver direta ou indiretamente.

Por exemplo, para uma assessoria contábil, a situação financeira das pessoas é extremamente relevante. Entender os motivos que fazem as pessoas gastarem dinheiro ou deixarem de ganhar se faz necessário.


O processo criativo de uma pessoa que se interessa por diversos assuntos como: mundo pop, política, história, geografia, cultura artística e musical, com certeza, será mais fácil e mais amplo.


3 - Estude sua área


É importante que você sempre esteja lendo e estudando sobre a sua área de atuação. Não podemos achar que sabemos tudo, mesmo após a formação acadêmica. Há sempre mais o que aprender e sempre alguém que sabe mais do que nós.


Ter isso em mente se faz necessário pela necessidade imediata em criar ou inovar em nossas áreas. Grandes empresários tiveram a capacidade de pensar em algo inovador e montar um sistema de entrega dessas ideias a pessoas que acreditaram neles.


Tudo isso pelo senso de realidade, que só foi possível após longos anos de estudo e experiência dentro do mercado. Uma dica é buscar artigos acadêmicos e revistas relacionadas ao seu segmento.


Blogs também são interessantes, assim como os vlogs e conteúdos estrangeiros. Lembre-se, ficar atualizado também possibilita o contato com pessoas que buscam por objetivos próximos ao seu. Você passa a trocar experiências.


A conversa e o networking são ótimos agentes para que uma pessoa com bloqueio criativo possa ter uma ideia interessante sobre a sua empresa ou situação pessoal que está vivenciando.

Ademais, as pessoas, infelizmente, tendem a ficar em casa e permanecer sempre no mesmo ambiente, apesar de estarem precisando ter novos contatos. Isso pode ser prejudicial.


Já pensou se os ambientalistas nunca tivessem saído de casa para estudar a situação do planeta? Jamais teríamos uma empresa especializada em licenciamento ambiental e nem diversas outras frentes do tipo.


4 - Frequente espaços criativos


Existe uma necessidade humana em estar sempre se recompensando após um dia difícil ou uma realidade complicada. Quem nunca teve um dia de trabalho estressante e foi comer algo gostoso para justificar o esforço?


Isso ocorre porque estamos a todo o momento justificando nossas atitudes para ficar sempre na ativa. Por isso, nossa quarta dica é tentar frequentar ambientes mais criativos do que você esteja acostumado.

Espaços diferentes abrem a mente para novas experiências e realidades. A busca pelo novo é essencial, pois a maioria dos bloqueios criativos são oriundos de uma realidade intransitável.


Às vezes você tem um comércio que está com dificuldades em controlar as finanças, ou está montado um negócio e não sabe como precificar os produtos.